Com as finalizações da etapa de Survey e da construção do SACS pela NEC, no Japão, o cabo entra na fase de transporte para a costa angolana, por onde será iniciada a sua instalação rumo à Fortaleza.

Os projectos da Angola Cables em curso, que incluem a construção de dois cabos submarinos de fibra óptica (Monet e SACS), duas estações para os cabos e um data center de última geração, a serem desenvolvidos em Fortaleza (Brasil), estão a registar avanços significativos. O Monet já foi totalmente instalado e tem previsão de início de operação no segundo semestre desse ano, assim que terminarem as obras das suas estações em Fortaleza, Santos e Miami. O SACS, que deve passar a operar a partir de 2018, também caminha para novas fases. A Angola Cables acaba de finalizar o processo mais importante para instalação do South Atlantic Cable System (SACS) no oceano, o Survey (radiografia do solo marítimo). E já iniciou o transporte e carregamento do cabo para a extremidade da costa angolana. A ocasião representa um marco importante no desenvolvimento de um dos mais importantes projectos globais da Angola Cables.

 

A Angola Cables é uma multinacional angolana de telecomunicações, fundada em 2009, dedicada à comercialização de circuitos internacionais de voz e dados por cabos submarinos de fibra óptica. Um desses sistemas é o SACS, um cabo de 40 Tbps, com quatro pares de fibra, que vai conectar Angola ao Brasil – interligando dessa forma o continente africano e sul-americano – e que possibilitará uma nova rota global de telecomunicações. O SACS estará ligado ao Monet e o WACS, alargando o seu alcance para mais de 11 países africanos, além do Brasil, Europa e Estados Unidos.

Com a etapa de Survey concluída com sucesso, a Angola Cables pode assegurar que o SACS será implantado na rota mais adequada, evitando os pontos que podem danificar o mesmo. A conclusão da fase de Survey produziu informações que estão a permitir fabricação final do cabo.

Avanço – A etapa de Pre-Laid Shore End (PLSE) significa que o cabo está a deixar a fábrica em direcção à Angola para a sua instalação. Isto marca significativamente o início da instalação submarina e um passo mais próximo na conclusão do SACS.

A construção do cabo SACS está a ser feita pela NEC, no Japão. E a Angola Cables contratou a Ocean Specialists, Inc (OSI) para supervisionar o processo de construção do cabo para, dessa forma, assegurar que os mais altos níveis de qualidade fossem considerados na execução da obra.

“Nós trabalhamos de perto com os nossos parceiros e fornecedores para garantir a qualidade da rede SACS para os nossos clientes e certamente teremos sucesso em criar a primeira conexão transatlântica sul directa e de alta capacidade, essencial para a nossa estratégia de conectividade global. A relação da Angola Cables com os seus fornecedores e empreiteiros é bastante estratégica; firmamos uma sólida relação desde o primeiro dia do nosso plano para nos tornarmos um provedor global de serviços de rede de alta qualidade. Estamos muito orgulhosos das conquistas anunciadas hoje”, explica António Nunes, CEO multinacional angolana de telecomunicações, Angola Cables.

“Estas etapas fundamentais mostram que o cabo SACS está em via de ser concluído, e a Angola Cables continua a impulsionar as vendas para a prestação de serviços no SACS em meados de 2018. Cada vez mais, os clientes recorrem à rota transatlântica do sul para diversificação e segurança. O SACS, aliado ao Monet e ao cabo WACS, esse último já em operação, proporcionam um valor sem igual para o qual observamos uma procura muito elevada no mercado”, completa Artur Mendes, Director Comercial da Angola Cables.

Angola Cables é uma multinacional angolana de telecomunicações, fundada em 2009, que opera no mercado de atacado, cujo core business é a comercialização de capacidade em circuitos internacionais de voz e dados por meio de um sistema de cabos submarinos. É um dos maiores accionistas do WACS (West Africa Cable System), fornecendo serviços de nível de operador a operadores em Angola e na região subsaariana do continente africano, tornando-se rapidamente um dos principais fornecedores de IP por atacado na região.

Os seus principais projectos – SACS e Monet – vão interligar três continentes: América do Sul, América do Norte e África, bem como o Data Center de Fortaleza, uma instalação de Nível III que irá interligar os seus sistemas de cabo, criando uma rede altamente conectada para a região.

A Ocean Specialists, Inc. (OSI) é uma empresa de consultoria e assessoria de cabo submarino, líder em soluções de redes de telecomunicações. A OSI fornece serviços de desenvolvimento de rede turnkey para redes de fibras ópticas submarinas, que vão desde a análise de viabilidade comercial e económica até o planeamento, projecto, implementação e operações de seus componentes de ponta a ponta. A OSI completou mais de 200 projectos de redes submarinas, entre elas empresas de Telecom, Gás e Petróleo e indústrias científicas, em todas as regiões do mundo.